image via tumblr 

[EN] Let me start by saying that this is my personal opinion, as a minimalist. Even though I haven't read the book, I have read a lot of bit's from it, and one of the main reasons I believe that the KonMari method won't turn you into a minimalist because she focus more on organizing and only keeping things that "spark joy" instead of only keeping what it's necessary in your life. I mean, I could still go shopping the next day after I declutered and buy a bunch of new items that I believed sparked joy in me, and soon I would end up with a full wardrobe with things that, after a few months, I would probably hate and would get rid of.

For example: in minimalism, a set of tools like hammer and nails, may not spark any joy to me, but I do know that it's an essential in my life because house stuff always need a little fix now and then, so I would not get rid of that just because it didn't spark any joy when I hold it. And that's one of the differences between the KonMari method and Minimalism.

Minimalism is more focused on knowing what you truly need, and still enjoy having. It's about going through everything you own and intentionally decide what to keep and what to let go of. 

In the KonMari method she won't focus on what to get rid of, but instead focus on what too keep.. This is such a big NO to me, simply because you will end up keeping almost everything you own, you will not get the big picture.. that you don't actually need everything that you think you need. 

An example? You may have 5 white tops, almost similar, but with little diferences between them, and they all spark joy in you, but.. do you actually need all 5? If you had to pick between all your clothes and pair them down, would those 5 similar white tops be on your list? the answer would probably be NO. So, why do you keep them?.. because they "spark joy"?... what would you do if you loved everything, and I mean everything that you own? you probably wouldn't need it all, but since it all sparks joy, let's go ahead and keep it all!

I could say so much more about what I found wrong about this method, but if your goal is just to organize your home, then it's a great book for you, but if you want your home never to be unorganized and if you want to live with only things that bring meaning to your life, then go a little deeper and research a bit on minimalism.



[PT] Começo por dizer que esta é simplesmente a minha opinião como minimalista. Apesar de ainda não ter lido o livro todo, já li bastantes passagens, e uma das principais razoes que me fazem ser da opinião de que o Método MariKondo não vos vai tornar minimalistas é pelo facto de ela se focar mais em organização e de apenas mantermos as coisas que nos "despertem alegria", em vez de manter-mos o que nos é necessário para viver. Quer dizer, por muito que se destralhe, posso ir no dia seguinte as compras e comprar um monte de coisas que me "despertam alegria", e acabo por encher outra vez o armário com coisas que provavelmente vou odiar daqui a uns tempos.

Um exemplo, no minimalismo, posso ter um set de ferramentas, que não me desperta qualquer tipo de alegria, mas vou guarda-lo na mesma, pois sei que será algo que vou precisar na minha vida, não digo no dia a dia, mas sei que vai ter utilidade, por isso sei que não me devo livrar dessas ferramentas so porque não me "despertam alegria", ai esta uma das grandes diferenças entre o minimalismo e o método KonMari.

O Minimalismo é mais focado em descobrir aquilo de que realmente precisamos, e não apenas aquilo que nos "desperta alegria". No Minimalismo avaliam-se todos os objectos que temos com intenção e raciocínio, e depois decide-se o que eliminar. 

O método KonMari foca-se mais no que guardar, do que no que eliminar.. o que para mim é um grande NÃO, simplesmente porque vamos acabar por manter quase tudo o que já temos, pois quase tudo irá entrar no tema "desperta alegria", e não vamos ser capazes de ver a imagem toda.. de que não precisamos de tudo o que achamos que precisamos.

Um exemplo? Posso ter 5 tops brancos, todos bastante parecidos mas com alguns pormenores diferentes, e todos eles me "despertam alegria".. mas será que preciso dos 5 ? Se tivesse de escolher entre eles para poder diminuir o meu numero de peças, iria manter os 5 tops parecidos na lista? a maioria das respostas seria não. Então, porque não os eliminamos? .. porque nos "despertam alegria"? .. o que fariam se amassem tudo o que têm mesmo sendo um exagero? provavelmente ficavam com tudo, pois desde que "desperte alegria", ficamos com tudo!

Podia dizer muita mais coisas que acho que estão mal com este método, mas se o vosso intuito é apenas organizarem a vossa casa, então este método será uma grande ajuda, mas se querem que a vossa casa nunca mais esteja desorganizada e se querem viver uma vida em que não são as coisas que vos trazem valor, então tem de ir um pouco mais fundo e entrar no mundo do minimalismo.
image via tumblr 

[EN] Let me start by saying that this is my personal opinion, as a minimalist. Even though I haven't read the book, I have read a lot of bit's from it, and one of the main reasons I believe that the KonMari method won't turn you into a minimalist because she focus more on organizing and only keeping things that "spark joy" instead of only keeping what it's necessary in your life. I mean, I could still go shopping the next day after I declutered and buy a bunch of new items that I believed sparked joy in me, and soon I would end up with a full wardrobe with things that, after a few months, I would probably hate and would get rid of.

For example: in minimalism, a set of tools like hammer and nails, may not spark any joy to me, but I do know that it's an essential in my life because house stuff always need a little fix now and then, so I would not get rid of that just because it didn't spark any joy when I hold it. And that's one of the differences between the KonMari method and Minimalism.

Minimalism is more focused on knowing what you truly need, and still enjoy having. It's about going through everything you own and intentionally decide what to keep and what to let go of. 

In the KonMari method she won't focus on what to get rid of, but instead focus on what too keep.. This is such a big NO to me, simply because you will end up keeping almost everything you own, you will not get the big picture.. that you don't actually need everything that you think you need. 

An example? You may have 5 white tops, almost similar, but with little diferences between them, and they all spark joy in you, but.. do you actually need all 5? If you had to pick between all your clothes and pair them down, would those 5 similar white tops be on your list? the answer would probably be NO. So, why do you keep them?.. because they "spark joy"?... what would you do if you loved everything, and I mean everything that you own? you probably wouldn't need it all, but since it all sparks joy, let's go ahead and keep it all!

I could say so much more about what I found wrong about this method, but if your goal is just to organize your home, then it's a great book for you, but if you want your home never to be unorganized and if you want to live with only things that bring meaning to your life, then go a little deeper and research a bit on minimalism.



[PT] Começo por dizer que esta é simplesmente a minha opinião como minimalista. Apesar de ainda não ter lido o livro todo, já li bastantes passagens, e uma das principais razoes que me fazem ser da opinião de que o Método MariKondo não vos vai tornar minimalistas é pelo facto de ela se focar mais em organização e de apenas mantermos as coisas que nos "despertem alegria", em vez de manter-mos o que nos é necessário para viver. Quer dizer, por muito que se destralhe, posso ir no dia seguinte as compras e comprar um monte de coisas que me "despertam alegria", e acabo por encher outra vez o armário com coisas que provavelmente vou odiar daqui a uns tempos.

Um exemplo, no minimalismo, posso ter um set de ferramentas, que não me desperta qualquer tipo de alegria, mas vou guarda-lo na mesma, pois sei que será algo que vou precisar na minha vida, não digo no dia a dia, mas sei que vai ter utilidade, por isso sei que não me devo livrar dessas ferramentas so porque não me "despertam alegria", ai esta uma das grandes diferenças entre o minimalismo e o método KonMari.

O Minimalismo é mais focado em descobrir aquilo de que realmente precisamos, e não apenas aquilo que nos "desperta alegria". No Minimalismo avaliam-se todos os objectos que temos com intenção e raciocínio, e depois decide-se o que eliminar. 

O método KonMari foca-se mais no que guardar, do que no que eliminar.. o que para mim é um grande NÃO, simplesmente porque vamos acabar por manter quase tudo o que já temos, pois quase tudo irá entrar no tema "desperta alegria", e não vamos ser capazes de ver a imagem toda.. de que não precisamos de tudo o que achamos que precisamos.

Um exemplo? Posso ter 5 tops brancos, todos bastante parecidos mas com alguns pormenores diferentes, e todos eles me "despertam alegria".. mas será que preciso dos 5 ? Se tivesse de escolher entre eles para poder diminuir o meu numero de peças, iria manter os 5 tops parecidos na lista? a maioria das respostas seria não. Então, porque não os eliminamos? .. porque nos "despertam alegria"? .. o que fariam se amassem tudo o que têm mesmo sendo um exagero? provavelmente ficavam com tudo, pois desde que "desperte alegria", ficamos com tudo!

Podia dizer muita mais coisas que acho que estão mal com este método, mas se o vosso intuito é apenas organizarem a vossa casa, então este método será uma grande ajuda, mas se querem que a vossa casa nunca mais esteja desorganizada e se querem viver uma vida em que não são as coisas que vos trazem valor, então tem de ir um pouco mais fundo e entrar no mundo do minimalismo.

13 comments

  1. Gostei muito de ler a tua opinião.
    Tambem ha coisas com as quais concordo no método MariKondo e outras que nao. Tambem sinto que ela se vira muito para a organização, por exemplo, ela ensina como guardar melhor a roupa de modo a vermos tudo o que temos. Por um lado é bom, mas a verdade é que gostava de ser como tu e poder pendurar tudo.
    Mas no fundo acho que, se utilizarmos os dois, será uma grande mais valia para a nossas vidas :)

    #Carolina

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ola Carolina.
      Concordo plenamente com o que disseste. E tambem acho que o uso dos dois será sempre uma mais valia para mudar as nossas vidas. Apesar de achar que devemos sempre nos focar mais no minimalismo, o método KonMari é definitivamente um óptimo primeiro passo =)

      Hehe, quem me dera que toda a gente conseguisse pendurar todas as suas coisas :P
      De manha nem tenho andar a procura nas gavetas por t-shirts ou assim, basta tirar do cabide, das gavetas so tiro a roupa interior e as calças, de resto ta tudo ali para eu ver =)

      Sophie.

      Delete
  2. Queria agradecer-te por ultimamente escreveres em português. Sempre gostei imenso do teu blogue, mas era muito complicado ler com tanto agrado como o fiz hoje. ��

    ReplyDelete
    Replies
    1. Nao tens nada que agradecer =)
      Mas fico feliz por saber que gostaste da iniciativa.
      Como o meu numero de leitores portugueses tem crescido, achei senão bem começar a escrever na minha língua materna :P

      Sophie.

      Delete
  3. Nunca tinha pensado no assunto embora já me tivesse cruzado com o livro e com posts sobre o assunto algumas vezes. Com base no que sei sobre esse método devo dizer que concordo com praticamente tudo o que escreveste. Só tenho um pormenor a apontar. Faz-me uma certa confusão, mas pronto é a minha opinião, que alguns minimalistas pensem tanto em números. Seja porque aderiram a projectos que resultam na redução a x número de objectos, seja porque se questionam se é possível ter apenas um objeto de cada um dos essenciais (missminimalist), seja porque entendem que x já é demais (ex: os tais 5 topo brancos que apontas, etc. Acho que o minimalismo acaba por ser uma experiência e um projecto de vida muito pessoal e pode, na vida de alguém, ser essencial ter os tais 5 tops brancos e não deixar de ser minimalista lá por esse 'capricho (?)'. Acho que quando falamos em mínimo, não está definido em lado algum em que é que isso se traduz, qual é o alcance da palavra. As pessoas têm vidas, necessidades e personalidades muito diferentes... Mas é a minha opinião :)

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ola Carmen =)
      Tens toda a razão no que dizes. Minimalismo não tem nada a ver como números, posso ter 100 como posso ter 200, não é nada disso que importa, mas sim se todas essas coisas realmente trazem valor a nossa vida. Ate ha minimalistas que falam de não possuirmos mais duplicados de certas peças.. mas se eu sei que é uma peça que vou usar mil vezes sem conta, não vejo mal nenhum em ter uma de reserva :P

      O exemplo dos tops é mais numa de: se raramente uso 1 delas, para que quero 5, entendes? provavelmente expliquei-me mal :P se virmos o Steve Jobs, aposto que ele tinha mais do que 7 calças e 7 tops iguais, e andava sempre com a mesma combinação.

      E é óbvio, que o mínimo para mim é completamente diferente do mínimo de outras pessoas. Cada um é que sabe e decide com o que quantidade de coisas esta disposto a viver.

      Sei de vários minimalistas que reduziram os seus pertences a um certo numero, mas acho que foi mais por uma questão de descoberta e aprendizagem. Eu sei que já contem as minhas coisas, mas agora já nem me importa o numero. E o meu Capsule Wardrobe pode ser de 60 peças, mas se amanha quiser comprar mais 3 ou 4 que acho que trazem valor a minha vida, não me vou por a retirar coisas que amo so para por as novas la.

      No fundo, acho que é tudo uma questão de equilibro =)

      Desculpa o testamento xD

      Sophie.

      Delete
  4. Actually, I found the KonMari method to be quite helpful and a wonderful explanation that combines material needs and philosophical. I have heard some similar knee-jerk criticism from people who have merely perused and then the opposite criticism from people who have read the book saying "Then I will end up with nothing." I think that last sentence highlights the main problem with many people. It IS that we give in to instant gratification, or buy things for apparent convenience instead of looking deeper both into the meaning of our own lives and what truly fits, with joy, into it. My hammer does spark joy but maybe because I absolutely love art and won't be able to hang them without it. It won't spark joy if I saw it merely as one isolated material object and therein lies the crux of our modern overwhelming need for things - because we see material things too much as possessions and too little as items of value and meaning. Anyway, as with almost any subject and book it is also on the reader to glean what they will from it and people take what they want to take. I didn't get rid of all the papers as she suggested because living in the US that is not possible and I can't say it strictly "sparked joy" but it did give me peace of mine which is for me a component of being able to feel joy in other things. The method works. To what extent will always depend on the individual. Lack of any outer method works too for those who are internally predisposed to be minimalists or tidy. :)

    ReplyDelete
    Replies
    1. I see what you mean by what you wrote, an yes, it always depends on the individual and how they interpreter and apply what they have learned from the book.
      This was truly my personal opinion, and I do believe that, it would not work for me.

      But I do see how it can work for so many people! As I said in the end, I don't tell you not to go out and buy it and apply it to your life, but maybe some people just need to go a step forward =)

      Sophie.

      Delete
  5. Sim, é uma questão de equilíbrio. :)

    Escreve à vontade. Gosto muito de ler!

    ReplyDelete
  6. Olá Sophie, gostei imenso do post e concordo contigo. Apesar de ter adorado o livro também considero que a pergunta do trazer alegria não é suficiente e pode induzir em erro. Outra das grandes diferenças com o minimalismo, é que um minimalista preocupa-se com o impacto ambiental e aquilo que vai fazer às coisas que destralhar e ela não se preocupa nada com isso.
    Por fim, não leves a mal, é apenas uma pequena correção ortográfica: o "mos" é sempre junto à palavra, o "nós" é que é separado. Espero que não leves a mal.
    Beijinho*

    ReplyDelete
    Replies
    1. Como não li o livro, não me tinha apercebido de que ela nao separava as coisas para doar ou dar a familiares e assim, se vai tudo para o lixo, esta a fazer mais mal que bem. La por nos não precisarmos mais das coisas, ha muita gente com necessidades que precisam.
      Ja corrigi, muito obrigado :P

      Sophie.

      Delete
  7. Olha...te falo que esse livro mudou minha vida e me deu um rumo. Através dele cheguei ao Minimalismo. Lógico que é um livro sobre organização mas se você seguir direitinho irá acabar focando em suas necessidades e no que realmente importa nessa vida. A linguagem dele é simples e objetiva, acredito que por esse motivo tenha conquistado tantas pessoas pelo mundo.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Sim, para muitas pessoas pode ajudar sim :) mas para mim nao teria mudado minha vida como ter descoberto primeiro o minimalismo.
      Mas acredito que ajude muita gente sim, esta e so minha opiniao :)

      Sophie.

      Delete

Contact

Instagram

© TOMORROW AT DAWN
Design by The Basic Page